01 nov, 2016 Clipping

Gestão de carreira: O que não devo fazer em um modelo baseado na meritocracia

autogestao-da-carreira-1

No sistema de gestão baseado na meritocracia, democraticamente qualquer colaborador pode se destacar e crescer profissionalmente através de seus méritos. Bônus, premiações ou promoções servem como um grande estimulador para a produtividade. Mas assim como em qualquer sistema de gestão ou situação da vida, nós seres humanos somos passíveis de erros e acertos.

Desenvolver suas tarefas com dedicação, perspicácia e foco nos resultados são excelentes táticas para ganhar destaque e conseguir ser notado em sua equipe, mas o que eu não devo fazer? Quais erros me impedem de progredir em um modelo meritocrático de gestão?

Quem está em busca da excelência na carreira precisa evitar oscilações. Primeiramente é necessário ter uma meta em vista, vamos trabalhar em cima do objetivo mais comum e desejado que é ser promovido. Para ganhar uma promoção em uma gestão baseada na meritocracia, o que não devo fazer?

1 – Cumprir somente parte da meta
Um exemplo é entregar no prazo, mas sem a qualidade esperada. Toda meta deve ser alcançada em sua plenitude, cumprindo-se todos os indicadores e padrões desejáveis.

2 – Não informar à chefia sobre obstáculos para a realização das metas
Seu líder deve receber feedbacks em tempo real das dificuldades encontradas para a consecução das metas.

3 – Não compartilhar os seus objetivos com seu gestor
Suas ambições pessoais ou profissionais devem ser divididas para que possam ser alinhadas às metas das empresas, assim o caminho a ser trilhado pode ser o mais curto e com ótimos resultados.

Todos estamos suscetíveis aos erros, tanto os profissionais subordinados quanto os que estão em posição de liderança. Quando você está no comando de uma equipe é importante que você seja uma referência a ser seguida. Isso ajudará no desenvolvimento do seu pessoal e refletirá em resultados positivos a você. Veja alguns exemplos do que não fazer em um modelo de meritocracia quando você se encaixa na posição de líder:

1 – Metas que não são passíveis de realização são irrelevantes
Se não é possível realizar não perca tempo e trace outro plano viável. As metas devem ser factíveis, ter padrões de desempenho e prazos de realização definidos em conjunto.

2 – Evite impor metas ao seu profissional
As metas devem ser construídas em conjunto com a sua equipe. A chefia deve ter uma escuta ativa sobre as percepções e observações do profissional em relação execução das metas.

3 – Não deixe para avaliar as metas somente uma vez ao ano
Elas devem ser acompanhadas e monitoradas durante todo o exercício para que ações de realinhamento possam ser tomadas antes do término do ano fiscal.

Mas independentemente da posição que ocupa na empresa, tenha resiliência e supere os obstáculos. Muitas vezes não conseguimos dimensionar a repercussão que nossas ações exercem na superação das dificuldades. Outro fator importante é ser ambicioso na entrega dos seus resultados – mire sempre mais alto, entregue sempre além do que é esperado

Além dessas sugestões do que fazer e o que não fazer, tente ser inovador em todas as tarefas propostas. Faça diferente e agregue mais valor aos seus resultados do que o previsto. Pode soar como clichê, mas incontestavelmente a inovação é a chave de entrada para muitas promoções e outros méritos.

Fátima Ohl Braga é Sócia-diretora da Ohl Braga. Atua há mais de trinta anos como consultora organizacional, implementando programas de Treinamento e Desenvolvimento, Avaliação de Desempenho e Potencial e Gestão por Competências.

*Este artigo foi publicado no RH Portal.